Iluminação

Você já saiu cansado de um espaço com iluminação intensa? Ou teve desconforto ao trabalhar na penumbra? Bastam alguns minutos para constatarmos a importância da boa iluminação no aspecto sensorial do ambiente. Com a distribuição e os equipamentos certos, é possível transformar a apresentação e o astral de um cômodo, combinando diferentes tipos de luzes para criar efeitos decorativos e agradáveis.

Para fazer o melhor proveito da luz no seu ambiente, é fundamental conhecer os principais tipos de iluminação e suas respectivas funções. Confira:

 

Fotos: Reprodução/Home Edit; Joana França/Galeria da Arquitetura

Luz direta

Como o nome sugere, é a luz que incide diretamente sobre uma superfície. É muito utilizada para valorizar itens decorativos, texturas e acabamentos. Também é ideal para espaços de estudo e trabalho, pois auxilia na leitura e estimula a concentração.

Se você tem um quadro, arranjo ou cantinho que merece destaque, pode empregar spots de teto para, literalmente, colocá-los sob os holofotes. Luminárias pendentes e abajures servem tanto para a leitura quanto para a decoração. Lembre-se apenas de que as sombras fortes projetadas pela luz direta podem ser cansativas aos olhos. A melhor opção é combiná-la com pontos de luz difusa, para suavizar a iluminação.

 

Foto: Reprodução/Home Edit; Reprodução/Home Designing

Luz indireta

Em contraponto à luz direta, a luz indireta é refletida por uma superfície (teto, parede ou a própria luminária). Arandelas e sancas de gesso são exemplos de superfícies empregadas nessa técnica. Por iluminar o cômodo de forma mais suave, esse tipo de iluminação cria ambientes aconchegantes e é indicado para locais de descanso, como quartos e salas de estar. A luz indireta também é ideal para criar efeitos decorativos a partir do design das luminárias ou da distribuição dos pontos de luz.

 

Fotos: Reprodução/Home Edit

Luz difusa

Esta técnica emprega um difusor (geralmente de vidro ou acrílico) para quebrar a intensidade da luz e distribuí-la de forma homogênea no ambiente, sem gerar sombras fortes. É o tipo mais comum de iluminação, instalada frequentemente como luz central dos cômodos. Pode ser utilizada junto ao espelho do closet ou do banheiro, além de outros pontos estratégicos. Recomenda-se combiná-la a pontos de luz direta para não deixar a iluminação muito uniforme, e criar contrastes interessantes no espaço.

Vale ressaltar que, para criar um efeito harmônico, a iluminação deve ser pensada em conjunto com as dimensões e função do ambiente. Em espaços integrados, a dica é criar pelo menos três interruptores separados para, conforme a ocasião, criar um ambiente mais acolhedor ou mais estimulante. Com essas informações, esperamos ter contribuído para que seu projeto traga mais beleza e bem-estar à sua rotina. Até a próxima!

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

limpar formulárioPostar Comentário